segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Representante do Agrupamento no concurso #RB Coool

       O representante do 2.º ciclo escolhido pelo júri do nosso agrupamento, para  o concurso literário concelhio #RBCool, enquadrado nas comemorações dos 150 anos do nascimento de Raul Brandão,  foi o Diogo Martins, do 5º B, com um texto bem divertido.

Parabéns Diogo.

    Aventura na ilha com Raul Brandão

Ia eu de férias com os meus pais, numa viagem de barco que ganhamos num concurso  quando, de repente, o barco parou. Eu, cheio de medo, comecei a procurar os meus pais, quando entrei num camarote por engano. Estava lá um senhor. 
 ─ Ora viva, companheiro! ─ disse ele. Como te chamas?
─ Eu?... Eu chamo - me Diogo ─ respondi, com um bocado de receio.
   -Eu chamo -me  Raul Brandão e sou escritor, sabias ?
   ─ Não, eu estou à procura dos meus pais porque o barco parou e eu tenho medo.
   ─ Não tenhas! Eu sou filho de pescadores e vamos sair daqui sem perigo, está bem?
   ─ Ok! ─  disse eu.
   Fomos até ao convés e o Raul disse:
  ─ Terra à vista! Olha, Diogo, vamos até aquela ilha para ver se conseguimos procurar ajuda?
   ─ Sim─ disse eu.
Chegando à ilha desconhecida, fiquei encantado com aquela beleza natural: tudo verde e florido e até conseguia respirar melhor. Então, fomos procurar ajuda, tentei procurar comida e o Raul fez uma fogueira para nos aquecer e também para nos proteger de alguns animais ferozes, que poderiam aparecer.  E, com as frutas que eu encontrei, comemos, pois estávamos cheios de fome. Então Raul pegou num pau e fez uma espécie de arpão, como os nossos antepassados caçadores recoletores para pescar, e teve sucesso.
Comemos um delicioso peixinho assado. E o Raul fez uma tocha e foi procurar urze para dormirmos, pois a urze é muito fofinha e cheirosa, e adormecemos profundamente. O dia amanheceu e à nossa frente estava um barco que veio para nos salvar.
─ Estamos salvos! Estamos salvos! ─ Comecei a gritar e a pular de alegria.
 ─ Pois estamos! ─ disse o Raul, sorrindo.
Chegando ao barco, fui a correr para os braços da minha mãe e contei tudo o que tinha acontecido na ilha. Mas, quando lhe quis apresentar o Raul, o Raul tinha desaparecido e foi quando a minha mãe me disse que estava sozinho na ilha…
Sozinho ou não, eu adorei a minha aventura com o Raul Brandão.       

Diogo Martins 5º B